Após sua saída de The Walking Dead, o ator que Steven Yeun, que interpretou Glenn Rhee, faz dublagens em animações como Voltron: O Defensor Lendário e Caçadores de Trolls, além de interpretar K, um ativista pelo direitos dos animais no filme Okja da Netflix.

Em uma entrevista para a Vulture, para o lançamento do filme, o ator falou um pouco sobre o espaço de atores asiáticos em Hollywood. Ele alegou que, apesar de ser querido pelos espectadores da série, Glenn jamais foi devidamente explorado em The Walking Dead.

Eu posso não estar sendo objetivo, mas realmente acho que as pessoas não sabiam o que fazer com Glenn. Todos gostavam dele, não tinham nada contra ele, as pessoas curtiam ele. Mas não reconheciam a conexão que as pessoas tinham com o personagem até ele partir (…) Internamente, foi incrível. Externamente, foi difícil porque nunca senti que ele tivesse a devida participação. Nunca senti que ele sua percepção fosse externada. Não digo isso como reclamação. Ele sempre tinha que fazer parte de alguma outra coisa para se legitimar. Ele raramente estava sozinho.

De acordo com Yeun, isso se refletia não só em produtos licenciados, mas como também no seu espaço na mídia. O ator observou que só teve sua própria capa na Entertainment Weekly após a morte de Glenn, enquanto atores como Andrew Lincoln (Rick Grimes), Danai Gurira (Michonne) e Norman Reedus (Daryl Dixon) tiveram suas próprias capas em outros momentos, mesmo que seus personagens continuem vivos.

Não acho que isso foi racismo, no sentido de, ‘Ah, isso é racista’. Percebi isso como algo do tipo ‘Ah, é assim que somos vistos o tempo todo – como parte de uma bolha amórfica, um coletivo não-individualista. Somos como um Borg e, por causa disso, eles pensam ‘Bem, não precisamos dar destaque a este personagem. Há todos esses personagens que são tão legais!’. Eu sempre ouvia gente dizendo, ‘Eu amo o Glenn, ele é o meu personagem favorito.’ Mas o merchandise da série seguia um padrão. Talvez seja uma questão de mercado, então não vou questionar o porquê de eles não fazerem merchandise do Glenn. Mas havia uma disparidade.

Ainda sim, Yeun acha que a morte de Glenn foi preferível a uma gradual diminuição de sua participação na série, o que ele indica que provavelmente aconteceria com o passar do tempo.

Algo que talvez tenha que ser dito é que você nunca viu um personagem asiático morrer daquela forma antes – porque asiáticos não costumam morrer em cena! Quando morremos, morremos silenciosamente.

Às vezes me perguntam se estou triste por ter saído da série, mas cara, acho que a coisa mais cruel é que, se Glenn tivesse sobrevivido, do jeito que as coisas são, eu prevejo que ele poderia simplesmente ser deixado de lado aos poucos, sendo lembrado mas não estando realmente presente.

Mas da forma como tudo se sucedeu, é como mostrar um crânio esmagado ao mundo e dizer ‘Não se esqueça de que este asiático existiu nesta média e agora ele está morto’. Isto é muito legal! Estou bem com isso.

Questionado sobre a escolha de Tilda Swinton, com quem contracena em Okja, para interpretar o Ancião em Doutor Estranho, o que gerou acusações de racismo, uma vez que o personagem era originalmente asiático, Yeun tentou ser diplomático.

Eu diria que, da perspectiva dela, lhe ofereceram um papel único, então ela aceitou e fez um bom trabalho. Mas, por outro lado, acho que eles poderia ter alcançado o mesmo resultado com um asiático falando sem sotaque? Sim, é claro, p***a. Você se encontra em uma situação sutil: Quem está errado? Ninguém, mas meio que, ao mesmo tempo, todos estão.

Yeun alega não ter conversado com Swinton sobre o assunto, mas elogiou a atriz, apesar de afirmar que ela é, sim, privilegiada.

Minhas interações com ela foram bem incríveis. Ela é ótima. Ela é uma pessoa única e, no final das contas, você acaba percebendo o porquê dela ser especial. Mas ela é privilegiada? Certamente. É assim que as coisas são. Não a acossei sobre este assunto. O tópico nunca surgiu entre nós.

A violenta morte de Glenn causou consternação, levando muitos a questionarem se a série não estaria indo longe demais. Yeun disse que compreende a revolta causada pela brutalidade do assassinato de seu personagem na série, atribuindo o choque à identificação do público com o personagem mais do que pela violência em si.

Olho para o que aconteceu e não acho que foi mais explícito do que outros coisas já feitas na série. Pessoas tiveram suas entranhas arrancadas e suas cabeças afundadas. Mas esta morte pareceu gratuita porque foi contínua e também porque mataram alguém que as pessoas não perceberam que se importavam até que ele tivesse partido (…).

Há vários outros personagens incríveis, mas justamente por isso – por serem incríveis – eles geram um sentimento de temor, tipo: ‘Eu queria ser esse cara ou essa garota’. Com Glenn, o sentimento era, ‘Acho que sou como esse cara’. Se você tira um cara como esse de cena de maneira tão brutal, então as pessoas irão reagir à isso.

Concorda com as colocações de Yeun? Acredita que há falta de espaço para atores asiáticos em Hollywood?

Fontes Vanity Fair Vulture
For what do we live, but to make sport for our neighbors, and laugh at them in our turn?
Prezamos por comentários relevantes e respeitosos. Confira nossa Política de Comentários e para mais discussões sobre The Walking Dead e outras séries, curta nossa página no Facebook! Gostaria de escrever para o The Walking Dead Brasil? Clique aqui e faça parte do site.