Tecnicamente, não.

Por definição, zumbi é uma criatura que está morta. Mesmo que continue andando e aprontando de alguma forma. E a morte é a navalha empregada pela seleção natural.

Evolução requer linhagens hereditárias. Uma longa sucessão de gerações transmitindo características vantajosas para seus descendentes. Enquanto àquelas linhagens menos favorecidas são eliminadas da competição, levando consigo suas características desvantajosas.

Mesmo se o DNA em um zumbi permanecesse intacto e fartamente mutado, estar morto impede a geração de novos descendentes. Então, qualquer mutação, mesmo que potencialmente vantajosa, permanecerá encerrada em seu portador. Além disso, com o sistema celular morto e sem regeneração, nenhuma mutação causará qualquer efeito no próprio zumbi que a tiver. Nem mesmo tumores poderiam crescer neles.

Apesar disso, o patógeno responsável pela zumbificação poderia evoluir. E isso até pode gerar a ilusão de que é o zumbi hospedeiro que está evoluindo. Só que, na verdade, o agente infeccioso estaria apenas prejudicando menos seu infectado. Por exemplo, destruindo menos os músculos ou preservando mais áreas do cérebro.

Porém, até mesmo a evolução do patógeno só acontece se as vantagens que ela proporciona facilitarem a própria disseminação do agente. Considerando, claro, seus concorrentes não-mutados. Partindo disso, em The Walking Dead não há nenhuma pressão favorecendo qualquer evolução da doença. Afinal, a taxa de infecção aqui já é igual à 100%…

Sobrevivente do apocalipse, apreciador da temática zumbi e ciências em geral.
Prezamos por comentários relevantes e respeitosos. Confira nossa Política de Comentários e para mais discussões sobre The Walking Dead e outras séries, curta nossa página no Facebook! Gostaria de escrever para o The Walking Dead Brasil? Clique aqui e faça parte do site.