Roteirizado por Corey Reed e Matt Negrete e dirigido por Larry Teng, “Time for After” mostra mais de Negan e seus tenentes tentando resolver os problemas no Santuário enquanto Rick e seu grupo continuam a executar o plano.

O plano de Rick no âmbito geral é deveras interessante: Isolar os líderes dos Salvadores no Santuário impedindo-os de buscar ajuda nos postos avançados enquanto suas outras unidades (Hilltop e Reino) atacam e roubam o arsenal e demais recursos dos vilões. Soma-se isso com a ajuda interna de Dwight e as coisas começam a se desenhar a favor dos protagonistas.

Então qual a necessidade da parceria com a comunidade do “lixão”? Jadis já se provou não ser de confiança e a cartada de mestre do herói da série é procurar pessoas que já o traíram no momento em que estava em visível vantagem na guerra?

Além de não entender essa questão, o fato do Rick estar subjugado e se manter enérgico e confiante perante uma situação visivelmente complicada me incomoda. Podem argumentar que naquele momento ele estava tão confiante que sabia que aquela trama teria uma resolução positiva de alguma forma, mas isso é o ápice de um roteiro simplista e conveniente.

E qual era a intenção da Jadis ao recusar a proposta inicial e depois ceder daquela forma patética? Primeiro ela recusa a proposta, prende Rick e depois coloca-o novamente em uma arena com um zumbi por qual razão? Entendo que essa comunidade seja extremamente curiosa por passar a ideia de introspecção e desapego às pessoas externas, mas no fim não há identidade nesse grupo e isso os torna descartáveis e esquecíveis.

Rick domina facilmente o zumbi e posteriormente Jadis, mas seus aliados ainda estavam em pé apontando suas armas para o xerife, que apenas na base da intimidação consegue reverter a situação? É muita incoerência e simplicidade nas resoluções das tramas. Rick não tinha nada a oferecer, seu argumento eram ameaças, ele estava com armas apontadas para ele e Jadis simplesmente concorda com todos seus termos? Esse é o poder do protagonismo feito da pior forma, apenas para o roteiro avançar. Mas a que custo?

Eugene gera pouca empatia em função de seus trejeitos, mas desde que entrou para os Salvadores é um dos personagens mais coerentes da série. O personagem teve bons e maus momentos e vale ressaltar que o Eugene dos quadrinhos é consideravelmente diferente, especialmente por não ter essa veia cômica que passa um pouco do ponto como nesse episódio em questão.

Sua visão pragmática é encantadora porque é despida daquele heroísmo idealizado. Ele quer apenas sobreviver e parece muito justo estar no lado que apresenta maiores chances de vencer, independentemente de qual lado seja.

Em “Time for After” ele reafirma seu lado na história e tenta efetivamente ajudar Negan, muito porque teme por sua vida, mas de qualquer forma ele opta por isso. Por outro lado, ele se mostra enérgico ao afirmar que é um Salvador, mas hesita ao revelar que Dwight é o traidor e isso não faz muito sentido. O roteiro quis dar dualidade ao personagem, mas quando ele toma partido de tal forma seria mais coerente ele revelar a traição porque isso o beneficiaria e é isso que ele busca sempre, bem-estar próprio e segurança.

Em certo momento Gabriel, que apesar de não ter sido mordido, está extremamente debilitado, diz que sabe que quando a hora chegar Eugene fará a coisa certa. Mas o que é certo para alguns pode não ser para outros, então, o que é a coisa certa?

Essas dualidades morais são interessantes, mas tem que ser exploradas da forma certa e não com repetição ou resumir-se a pouquíssimos diálogos, como foi o caso. Em meio a isso fomos agraciados com a melhor cena de Josh McDermitt na série durante seu monólogo com Gabriel. Fantástico.

A posição inicial de Eugene foi convincente, mas depois o fato de não ter exposto Dwight fez com que ele perdesse pontos nesse capítulo. Suas falas estavam demasiadamente pesadas no quesito “piadas” e isso também faz com que o personagem perca impacto.

Dwight vem se mostrando mais ponderado, mais parecido com o que vimos nos quadrinhos, mas acho que poderia ser mais duro em relação a Eugene já que ele pode atrapalhar seus planos.

Há poucos episódios atrás Dwight se mostrava muito mais maniqueísta e agora que ele precisa se impor está resolvendo as coisas na base da conversa? No mínimo curioso.

E por fim temos Rosita e Daryl, que apesar de serem secundários nessa temporada, têm alguma valia. Rosita na temporada passada teve uma mudança de comportamento muito abrupta e isso resultou na morte de Sasha, agora, relembra o que sua característica intempestiva causou e opta por voltar para Alexandria e abandonar o plano.

É legal ver que ela aprendeu algo com suas ações, isso agrega ao personagem mesmo que tenha sido uma passagem breve. E Daryl tem em sua mente que a resolução do conflito será na base da execução dos Salvadores e é isso que ele está fazendo. Não é muito inteligente o modo como ele está fazendo, mas pelo menos mantem-se coerente com sua ideia inicial.

No fim Rick convence Jadis a ir com ele ao Santuário e chegando lá as outras comunidades os encontrariam e pediriam aos tenentes dos Salvadores sua rendição e assim o plano estaria completo. Contudo, o Santuário não está mais cercado e Rick faz aquela cara clássica de perplexidade.

“Time for After” não tem muita inspiração e segue pincelando temas recorrentes, tirando alguns diálogos pontuais é mais um capítulo esquecível na vida de The Walking Dead.

Nota: 4.5/10

Disclaimer do autor: É chato semana após semana criticar a série, mas aqui no The Walking Dead Brasil temos a liberdade de nos expressar de acordo com nossa verdade e como não estou gostando da atual temporada escrevo de acordo com essa ideia.

A primeira temporada é brilhante, a segunda é uma aula de desenvolvimento de personagem e as quatro subsequentes também são muito boas, mas a 7ª foi fraca e a 8ª está ainda pior. Respeito quem estiver curtindo e ressalto que as críticas dos episódios correspondem a MINHA OPINIÃO, não é a verdade absoluta (obviamente) –  é apenas minha visão. Sinceramente gostaria de saber a opinião de vocês porque quero enxergar pontos positivos que talvez esteja negligenciando. Obrigado pelos comentários e pelo debate a seguir.

Deixe suas percepções pessoais nos comentários e ajude a fomentar a discussão de forma saudável.

The Walking Dead 8ª Temporada Episódio 7

Título: Time for After (Hora do Depois)

Temporada: The Walking Dead 8ª Temporada

Data de Estreia: 03/12/2017

Roteiro: Corey Reed e Matt Negrete

Direção: Larry Teng

Audiência (EUA): 7.47 milhões de espectadores

Sinopse: Negan convoca a ajuda de seus tenentes para resolver um enorme problema no Santuário; Rick e seu grupo continuam a executar o plano.